4 de jul de 2010

Ainda História e Copa!

A crônica abaixo é do Veríssimo e foi publicada no blog Almanaque da História.
Sei que está um pouco desatualizada, afinal Brasil já jogou com a Holanda e não dá para voltar atrás.
Entretanto ela nos instiga a refletir sobre as idas e vindas da História e sobre os homens que fazem e escrevem esta História.

"A cidade de Durban está tentando apagar todos os vestígios do passado do mapa, literalmente. Nomes de ruas e praças que antes homenageavam reis e generais ingleses ou personalidades coloniais hoje homenageiam heróis locais. O Victoria Embamkment tem o nome de um rei negro, o próprio aeroporto da cidade se chama King Shaka em honra do rei zulu que derrotou os ingleses e seus canhões com lanças curtas e uma estratégia de ataque que até hoje é estudada nas escolas de guerra, e a Marine Parade, o calçadão à beira-mar em que antigamente passeavam os senhores brancos como em tantas outras "promenades des anglais" do mundo hoje se chama Tambo. As placas de rua mantêm o nome antigo riscado com o novo nome em baixo, para orientar as pessoas e para não haver dúvida de que a história da cidade está sendo corrigida.

Por isso eu pensei que Port Elizabeth, onde estou escrevendo isto e onde amanhã jogam Brasil e Holanda, ainda se chamava Elizabeth porque a ideia da revisão histórica ainda não tinha chegado por aqui, pois o nome seria obviamente uma homenagem à rainha inglesa. Não é. Foi dado por um dos colonizadores ingleses da região em memória da sua mulher, a quem ele também dedicou um monumento em forma de pirâmide. O mesmo guia de onde tirei isto diz que na cidade há uma estátua equestre sem cavaleiro que homenageia os mais de trezentos mil cavalos trazidos pelos ingleses para a guerra contra os boers que morreram. Em Port Elizabeth também está a mais antiga cancha de críquete da África do Sul, e a passarela à beira-mar dos ingleses se chama "The Boardwalk", como se aqui fosse uma Brighton meridional. A baía em que está localizada Port Elizabeth se chama Mandela Bay, mas algo me diz que esta é a única mudança de nome que farão por aqui por muito tempo.

Os holandeses estão fazendo treinos fechados para o jogo de amanhã. Dizem que estão treinando penáltis. Aquele jogo de Marselha em 1998 traumatizou muita gente. Os holandeses querem corrigir aquela história. Lembro do Carlos Heitor Cony abandonando seu lugar na tribuna da imprensa para não ver decisão nos penáltis. Eu fiquei firme. Suando frio mas firme. E um lembrete final para o Júlio César. Segundo as estatísticas daquele inglês que eu citei aqui no outro dia, goleiros vestidos de verde defendem mais penáltis. Verde, Júlio César!"

2 comentários:

  1. É estranho ler este texto, pois parece uma sessão nostalgia, mesmo sem você conhecer nada. Antes de qualquer crítica é interessante o ritmo das crônicas do Veríssimo, tenho livros dele e já lí alguns, e ele começa num contexto diferente e termina em algo que não tem muito haver, porém a história fica muito mais gostosa de se ler.

    Jonathan Caroba 1002

    ResponderExcluir
  2. Acho correto de mudarem o nome das ruas, monumentos, praças etc; porque os nomes antigos faziam parte da época da colonização inglesa. A partir da independência, devem instalar nomes que fazem parte da história local.
    Enquanto do jogo Brasil x Holanda, o que vale é a superstição, já que essa seleção não é tão confiável. Mas nem adiantou, já passou o jogo e já vi que perdeu.
    Bruno Bernardino – Turma: 3001

    ResponderExcluir

Quando for escrever seu comentário tenha cuidado com a ortografia e gramática. Coloque seu nome completo e, se for o caso, a turma também.
Obrigada pela participação.
Brevemente seu comentário será publicado.